terça-feira, março 06, 2012

A arte da mentira

A auditoria da Inspecção-geral das Finanças já está concluída e aponta críticas à gestão da Parque Escolar. Cada intervenção da Parque Escolar por escola deveria custar 2,2 milhões de euros, mas custou 15,5 milhões de euros. A derrapagem de 13 milhões de euros é apontada pela Inspecção-geral das Finanças numa auditoria à Parque Escolar que já está finalizada.

Os dados foram avançados esta tarde pelo ministro da Educação, Nuno Crato, no Parlamento, que disse ainda que da auditoria resultam “duas críticas fundamentais”: “a Parque Escolar devia ter estabelecido tectos máximos de investimentos por escolas” e devia ter feito uma “apreciação crítica exaustiva da arquitectura antes de submeter a obra”. Como isto não aconteceu, “houve uma grande subida de custos” e um endividamento por parte da Parque Escolar.

A Parque Escolar foi criada para levar a cabo a requalificação de mais de 300 escolas a nível nacional num investimento que ultrapassa os 2 mil milhões de euros. Mas a empresa está desde o final do ano passado quase parada devido ao congelamento dos projectos. O financiamento das obras foi comparticipado pelo QREN e contou com fundos do BEI, mas a empresa esteve sempre envolta em polémica, devido ao elevado núemro de ajustes directos que fez para entregar os trabalhos nas escolas a várias empresas.

O texto acima, retirado do jornal de negócios online é um tratado de como mentir com estatísticas.
A ideia que fica é que o custo previsto para a requalificação de cada escola era de 2,2 M€, e que em cada uma delas houve uma derrapagem de 13M€. Além disso, os aldrabões dos socialistas entregaram tudo aos amigos sem concurso público.

Na realidade se tivermos em conta que foram investidos 2000M€ pelas 300 escolas temos que em média foram investidos 6,6M€ por escola. Bem diferente dos 15,5M€ que são insinuados.
A notícia não diz, mas provavelmente o custo era diferente para cada escola e muito provavelmente os 2,2 M€ era o custo previsto mais baixo e os 15,5M€ foram o custo real mais alto, o que não quer dizer que a escola em que o custo previsto foi de 2,2 tenha tido o custo de 15,5.
Que o ministro seja um cabeça de alho chocho e que não tenha uma ideia do que é a educação e portanto não pode fazer outra coisa que dedicar-se a atacar o governo anterior, é triste mas percebe-se.
Só não se percebe como é que a comunicação social repete tão acriticamente tudo aquilo que lhes sussurram ao ouvido.

2 comentários:

Anónimo disse...

Vai ter de mudar as suas contas pois não foram requalificadas 300 escolas!

A ideia geral do artigo está boa mas foi um grande tiro no pé. Tente novamente!!

Tino disse...

Apesar do dito relatório ainda não ter visto a luz do dia, pelo que já foi dito por alguns intervenientes da Parque Escolar, o comentador anterior tem razão.
Não foram 300 as escolas intervencionads mas sim 180, o que altera substancialmente as contas que tinha feito com base na notícia.
Assim, o valor por escola apróxima-se dos 12M€. Não 2, nem 6 nem 15.