terça-feira, julho 12, 2011

Será esse país, Portugal?

Não sei se a culpa será dos jornalistas ou de quem consome imprensa, mas o destaque desproporcionado que as más notícias têm relativamente às positivas e de tirar a esperança ao maior dos otimistas.
Recentemente tivemos acesso a dois documentos, um do eurostat e outro do Instituto Nacional de Estatisticas, que por serem positivos, passaram quase completamente despercebidos na comunicação social portuguesa.
Começando pelo documento do eurostat sobre a carga fiscal. O que o documento nos diz é que em 2009 a carga fiscal desceu na generalidade dos países da Europa, mas que foi em Portugal que essa queda foi maior. Passamos de uma carga fiscal de 32,8% do PIB em 2008, para uma carga fiscal de 31% do PIB em 2009. É quase incompreensível que a generalidade dos comentadores nos queiram fazer crer que a carga fiscal em Portugal nunca esteve tão alta, quando a realidade revela algo bem diferente.

O segundo documento que rapidamente cairá no esquecimento, sem nunca conhecer uma primeira página ou abrir um telejornal é o documento do INE sobre as desigualdades sociais.
Todos sabemos que Portugal é ainda um país pobre e desigual, longe dos indicadores de prosperidades de outros países europeus, mas o que o documento ontem apresentado mostra é que nos últimos seis anos as desigualdades se têm esbatido, mesmo apesar de todas as dificuldades que temos atravessado, e que somos agora um País muito menos desigual do que éramos há pouco tempo atrás.
Nada disso comove os nossos comentadores, juntando mesmo os extremos da direita à esquerda no discurso de que estamos cada vez pior.

1 comentário:

Anónimo disse...

Não estás à espera que o actual governo faça propaganda do anterior governo!?

Se os números melhorarem o actual governo, dentro de 6 meses, fará a devida propaganda...

amsf