terça-feira, julho 12, 2011

De repente ficamos mais pobres

A forma como decorreu a operação dos censos 2001 na Madeira, foi na melhor das hipóteses, uma aldrabice.
Enquanto que nessa altura todos os indicadores indiciavam que a população da madeira cresceria relativamente a 1991, os censos de 2001 vieram mostrar o inverso.
Mantendo o rendimento, e diminuindo o nº de habitantes, e voilá, tem-se um rendimento per capita superior.
O PSD Madeira usou esses números até à exaustão, afirmando o crescimento económico da Madeira, escondendo que esse crescimento era apenas resultado dum inquérito estatístico mal conduzido.

Em 2011 e com uma parte considerável da população a entregar os inquéritos através da internet, tornou-se ligeiramente mais difícil martelar os números, e assim é de esperar que os resultados dos censos 2011 sejam bem mais fiaveis que os de 2001.
Os dados provisórios indicam que a população da Madeira é de 267000 habitantes e nã0 os 245000 antes apresentados. Como consequência imediata temos que o pib per capita madeirense caiu quase 10%, ou por outras palavras, passamos uma década com o PIB per capita empolado em cerca de 10%.
Este empolamento artificial foi em grande medida causa de avultadas perdas financeiras para a Madeira, uma vez que em seu resultado a Madeira saiu do objectivo 1 da coesão europeia.

Será que os responsáveis pela trafulhice dos censos de 2001 e pelas avultadas perdas da Madeira alguma vez serão responsabilizados pela sua actuação danosa?
Se não, ainda temos um longo caminho a percorrer na relação governantes e população.

1 comentário:

Anónimo disse...

O caminho é mais longo para a população pois os governantes sempre se souberam "governar" muito bem enquanto que a população nem os seus interesses é capaz de reconhecer!

amsf