quinta-feira, maio 05, 2011

O animal feroz II

Já aqui tinha dado a minha opinião sobre Sócrates. Nenhum outro político foi tão atacado desde o 25 de Abril. Contra ele tudo valeu. Mas o homem resiste. É um lutador. Não abandona nem desiste. E quanto mais lhe atacam mais ele luta. Os seus detractores ainda não o entenderam. Pensaram que uma crise política no meio de uma crise financeira, somada à chegada do FMI o deitaria por terra. Era o tudo por tudo. Sacrificava-se o país para abater Sócrates. O que saiu dessa situação foi o que os socialistas, que o reelegeram com uma votação esmagadora, previram. Ou pelas palavras de um membro da Troika: "O pior era quando os ministros levavam a José Sócrates as sucessivas propostas da troika. Aí tudo era diferente. O primeiro--ministro atirava uns papéis ao ar, recusava isto e aquilo, foi um osso duro de roer. Ao ponto de um dos membros da troika ter desabafado: "O tipo é mesmo intratável."

Pois é. E é isso que o país precisa. Um gajo que não ande a reboque. Que saiba o que quer para Portugal, que o diga e que se bata pelos portugueses até o fim.

1 comentário:

Luís disse...

Apesar da admiração que alguns nutrem em relação à determinação e obstinação de Sócrates, foram precisamente essas características que nos levaram a esta situação limite.
Tivesse ele sido menos arrogante, e já teríamos o FMI em Portugal há mais tempo ou, pelo menos, teríamos tomado o mesmo tipo de medidas que a Espanha tomou e que, até agora, parecem ter evitado um bailout.

Mas sim, o Sócrates é um grande animal político. Pena é faltar-lhe uma visão mais lúcida da realidade.