quinta-feira, maio 19, 2011

Desemprego na Madeira

A nova metodologia de inquérito estatistico de emprego veio revelar aquilo que era evidente para toda a gente, ou seja, que o desemprego na Madeira estaria mais próximo dos 15% do que estaria dos 7,5%.
Comparando os dados estatísticos de emprego, a bota não batia com a perdigota. Havia muito mais pessoas desempregadas à procura de emprego que aquilo que era mostrado pelo inquérito estatístico.
Essa diferença, que era insignificante no resto do País e podia ser facilmente explicada por erros de amostragem e outros, tomavam proporções na Madeira, na ordem dos 30% que só podiam ser explicados por manipulação dos dados estatísticos locais.

Com a nova metodologia, a realidade medida pelas pessoas inscritas nos centros de emprego, e a imagem revelada pelo inquérito estatístico tornam-se bem mais parecidas.

Tendo em conta que a nossa população activa é da ordem dos 125.000 trabalhadores, 13,4% de desempregados representam aproximadamente 16.750 desempregados. Uma diferença para os inscritos nos centros de emprego de menos de 5%.

Se esta nova metodologia visa tramar os governantes madeirenses, é só porque a realidade é madrasta e só porque os resultados na Madeira revelam-se bem piores que no resto do país.
Se a taxa de desemprego no País fosse igual à da Madeira existiriam mais 50.000 desempregados e isso é a todos os níveis a revelação do insucesso das políticas deste governo regional.

Sem comentários: