quarta-feira, abril 06, 2011

A teimosia do Sr. Engenheiro

Era uma vez uma empresa de telecomunicações que se viu encurralada pelo seu parceiro, a vender um activo importante a um preço que, sendo alto, não reflectia todo o valor estratégico que o activo tinha para a empresa e para o País.
O resto da estória é conhecida. A golden share do estado foi usada e desenvolveu-se uma solução muito mais vantajosa que aquela que era inicialmente esperada.
Naquele tempo, alguns dos accionistas, muitos deles banqueiros, andavam nervosos e não resistindo à pressão teriam optado pela solução que seria menos vantajosa.
Objectivamente, se não tivesse sido a teimosia do Sr. Engenheiro teríamos perdido.

Como a história repete-se, estamos hoje numa situação semelhante.
Se os juros não estivessem ao nível que estão, nada leva a crer que o país não conseguisse o financiamento necessário. Tal como é evidente que a vinda de "ajuda" externa não resolve (no meu ver agrava) o nosso maior problema: o crescimento económico.
Assim sendo, devemos resistir até para lá do limite.
Temos que endireitar as nossas contas públicas. Reduzir despesas, diminuir a dívida e o endividamento. Mas para isso não precisamos de ajuda. Precisamos apenas dum sinal de confiança dos mercados, mas sobretudo dos nossos parceiros europeus.

1 comentário:

amsf disse...

É verdade, "temos" que fazer em pouco tempo o muito que não fizemos em muito tempo. Fazé-lo implicaria medidas draconianas, sendo a mais grave enumeros despedimentos na função pública, e isso não nos livraria de obter financiamento a taxas de 8, 9, 12%.
Com o FEEF/FMI teremos que implementar todas essas medidadas mas em compensação obteremos crédito a 3%.


No entanto toda esta movimentação da banca junto do poder político para que recorra ao FEEF/FMI parece ter a ver com os "stress tests" a que vão ser sujeitos brevemente. Caso os testes não corram bem o governo terá que injectar muitos milhões e é "bom" que já os tenha pois de outra forma os nossos credores, munidos dessa informação, não os emprestarão.

Os "stress Tests" são a brincar para dar confiança ao mercado no entanto se algum dos bancos entrar em colapso estamos lixados pois o Estado terá que injectar milhares de milhões que neste momento não tem, nem emprestados. Se sobreviverem estamos menos lixados mas lixados na mesma.

Quem tem razão antes do tempo nunca tem razão...já estou habituado.