sexta-feira, março 18, 2011

Sócrates, o Lutador

Leonel Moura:
Nenhum outro político, desde o 25 de Abril, sofreu tanto ataque, tanta censura, tanto ódio. Os mais reles acusam-no de tudo, desde corrupção a roubo. Percebe-se. É gente que vive na chafurdice da intriga e da insinuação, uns claramente fascistóides, outros simplesmente mentecaptos. Já a oposição partidária, que devia ser fundamentada e propositiva, reduziu-se a um permanente ataque pessoal, tanta vez de muito baixo nível. Por sua vez, jornalistas e comentadores, que se confundem cada vez mais uns com os outros e funcionam em circuito fechado, acham que só o negativismo e o dizer mal do primeiro-ministro tem interesse informativo. Atacar Sócrates dá direito a título. (...) Depois há os que realmente têm razões de queixa. (...)

Neste cenário, Sócrates emerge como um lutador, alguém que não abandona, nem desiste. O que ainda exaspera mais os seus opositores. Raros são os políticos com tamanha força e determinação. Pelo contrário, a recente história portuguesa mostra como é mais fácil e compensador desistir. (...)
Sócrates nunca se demitirá e quanto mais o atacam mais se empenha na luta. Se, finalmente, um dia o deitarem abaixo, irão tê-lo de novo como temível adversário. E revigorado. Porque, bem vistas as coisas, a situação até lhe é favorável. Pelas suas qualidades e firmeza, mas acima de tudo pela peculiar geometria política em que estamos. (...)

É assim que obnubilados pelo ódio ao primeiro-ministro os seus detratores não estão a ver bem o filme. O momento não é propício a crises políticas que atirariam Portugal de imediato para a bancarrota. (...)

Mas pior seria o cenário caso o PSD conseguisse ganhar as eleições. Por uma razão simples. Na atual conjuntura, um governo PSD impossibilitado de distribuir dinheiros e benesses, tal como fez Cavaco, pura e simplesmente não consegue governar. É um facto da peculiar sociologia política local. Os portugueses que encaixam pacífica e relativamente bem as medidas impostas pelo PS, não as tolerariam se fosse o PSD a empreendê-las. Nessa circunstância Passos Coelho não dura mais de seis meses em São Bento. Mesmo com a polícia de choque todos os dias nas ruas. (...)"

1 comentário:

Anónimo disse...

Subscrevo inteiramente, este homem da nossa história que arrasta multidões,é um animal político, só comparável, a F. Sá Carneiro, João Jardim ou Álvaro Cunhal, porque acredita nas suas convições e luta por elas.Eis o lutador! Merece que o povo vá castigar todos os outros partidos, pois a crise é internacional.F.Chasqueira