segunda-feira, março 07, 2011

Para que serve o estado social?

Considero uma enorme falta de honestidade intelectual daqueles que se dizem defensores do estado social, associar tudo o que seja eficiência, ao neo-liberalismo.
O estado social deve medir-se em quantidade/qualidade dos serviços prestados pelo estado, mas também no que esses serviços custam.
O estado social, como eu o vejo, deve ser capaz de fornecer segurança, justiça, educação e saúde igual para todos, independentemente da classe social a que pertencem.
Fornecendo esses bens à sociedade estão em grande parte garantidas o acesso, em condições de igualdade de oportunidades, ao desenvolvimento económico para cada cidadão.

Quaisquer desperdícios existentes no estado, e existem muitos, são passos no sentido contrário do desenvolvimento do estado social.
São desperdícios os grupos de trabalho pagos a peso de ouro mas que nada fazem, como são desperdícios os 20 mil professores com horário zero, como são desperdício centros de saúde com mais pessoal que utentes, etc.

Defender um estado social eficiente é garantir que os cidadãos se empenham no seu desenvolvimento. Defender um estado social "apenas" ao serviço daqueles que deveriam ser os seus servidores é colocar um prego no seu caixão.

1 comentário:

amsf disse...

Quando o chamado "Estado social" incentiva os "pobres" a manterem-se na dependência económica do Estado e desencentiva os "produtivos" a serem-no devido à elevada carga fiscal para suportar os primeiros estão criadas as condições para a ruína do país, qualquer que ele seja. Um Estado social com essas caracteristicas terá cada vez mais responsabilidades "sociais" e cada vez menos contribuintes liquídos pelo que está condenado a endividar-se primeiro e depois a falir. Ao falir devido ao excesso de "apoios sociais" que deu aos não contribuintes liquidos do sistema deixa de poder honrar os seus compromissos futuros para com os seus "contribuintes liquidos" e a partir dai justifica-se que estes se revoltem violentamente com o Estado parasitário. Eu considero que enquanto contribuinte liquido do "sistema" tenho um contracto com o Estado e começo a suspeitar que esse contracto não será respeitado. Se tivesse possibilidade de escolha deixaria, desde já, de honrar esse contracto social que sei que não será honrado pelo Estado.

amsf