terça-feira, dezembro 07, 2010

Wikileaks

Tenho em relação a este tema sentimentos confusos e até contraditórios.

Faz-me alguma confusão que alguém, sem um mandato judicial, e sem que seja para investigar um crime, possa ter acesso a informação que muitas vezes, apesar de envolver pessoas públicas, é informação pessoal.

Apesar do muito que se diz, nada indicia, para já, que a informação foi obtida de forma ilícita. Apesar de subjectivamente imaginar que essa seria a forma mais fácil.
Um ataque informático é crime, mas uma denuncia não é.

Por fim, o facto de se divulgar informação muito sensível em termos de segurança não significa que se o wikileaks pretenda que esses ataques sejam feitos. Se assim fosse o wikileaks venderia esta informação valiosa à primeira organização terrorista que desse mais dinheiro.
Ao não ter actuado assim, a wikileaks demonstra que verdadeiramente quer pôr a informação ao serviço dos povos.
É desta democratização de informação sensível que os governos têm medo. A outra é apenas jogo de poderes com geopolítica e espiões à mistura.

P.S. - Fiquei agradado de saber que o ministro dos negócios estrangeiros do meu país exigiu que nenhum prisioneiro fosse transferido para países onde poderiam ser torturados ou onde existisse a pena de morte. Mostra que mesmo ás escondidas rege-se por princípios.

Sem comentários: