quinta-feira, dezembro 02, 2010

Salário Minimo de 500 €

Se os resultados económicos fossem melhores que o esperado, estariam neste momento os representantes dos patrões disponíveis para aumentar o salário mínimo acima do que estava acordado em concertação social?

Estou certo que não.

Então porque raio, perante as dificuldades, terão de ser sempre os mais fracos a ter de ceder?

4 comentários:

Michelangelo disse...

Pois é Tino...são estas situações que continuam a atirar Portugal para os lugres cimeiros dos países com maiores desigualdades sociais ou seja que o fosse entre os mais ricos e os mais pobres é maior.

Já agora qual a tua posição sobre a tributação aos dividendos das empresas como a PT que estão a antecipar a data dessa distribuição para escaparem a pagarem mais impostos?

Michelangelo disse...

Pois é Tino...são estas situações que continuam a atirar Portugal para os lugres cimeiros dos países com maiores desigualdades sociais ou seja que o fosse entre os mais ricos e os mais pobres é maior.

Já agora qual a tua posição sobre a tributação aos dividendos das empresas como a PT que estão a antecipar a data dessa distribuição para escaparem a pagarem mais impostos?

Tino disse...

Eu se fosse accionista ou administrador faria de tudo, legalmente acessível, para reduzir a minha carga fiscal e aumentar os meus benefícios fiscais.

Como contribuinte o meu interesse é que toda a gente pague.

De qualquer modo, tanto para contribuintes individuais, como para accionistas ou empresas, não me parece muito justo mudar as regras a meio do jogo.

Dito isto acho aceitável mudar as regras para o ano fiscal seguinte, e nunca para o ano fiscal actual.

Sabendo que as regras vão mudar é normal que quer os contribuintes quer as empresas tentem antecipar decisões. É simplesmente a decisão mais racional.

Michelangelo disse...

Tino,

concordo contigo que à administração das empresas compete tentar reduzir a carga fiscal que irá incidir sobre as respectivas empresas. Caso contrário não estariam a cumprir com as suas obrigações para com os donos das empresas ou seja os seus accionistas.

Também julgo que é função do Governo aplicar as suas medidas de forma justa e que é direito do Governo tomar as medidas que julgue necessárias para o bem comum e do País. Serão posteriormente julgados pelos accionistas da nação: os seus cidadãos.

O que eu acho mal é que estas grandes empresas têm uma vantagem injusta em relação ao cidadão comum: enquanto elas podem alterar as datas para distribuição de dividendos para escapar às leis do Governo, o cidadão comum não tem essa possibilidade.

Como tal considero obrigação do Governo fazer cumprir por TODOS as medidas que decide tomar. Caso contrário está a demonstrar que não acredita nas suas próprias medidas.

Em conclusão considero OBRIGAÇÃO do Governo fazer estas empresas contribuirem na mesma proporção que todos os outros.