segunda-feira, outubro 18, 2010

Separados à nascença

O PSD e o PS-M são tão parecidos que até arrepia.
Lembram-se daquela história de João Carlos Gouveia pretender que os deputados madeirenses votassem contra o OE? E o que aconteceu depois?
Agora, o que está a acontecer com Passos Coelho é a imagem reflectida dessa outra do PS-M.
Prometeu que votava contra o OE. Agremiou apoios para essa posição. E no fim lá terá de votar favoravelmente um OE que deveria ser para chumbar.

Tanto num caso, como no outro, olhando apenas para as lógicas internas, as posições de JCG e de PPC faziam sentido, mas politicamente foram um desastre, pela impossibilidade de comandar uma rebelião à distância.
Por cá, o resultado foi a completa desautorização do líder do PS-M, acompanhada pela ostracizão dos "traidores".
O PSD ainda vai a tempo de evitar parte do vexame. Se PPC se mantivesse no caminho de chumbar o Orçamento, veria com certeza os cavaquistas a viabilizarem o OE, expondo as suas fragilidades como líder.
Se, como é neste momento expectável, PPC mandar aprovar o OE, será uma desilusão para os seus seguidores, mas conseguirá manter a fachada por mais uns tempos.
Seja como for, o resultado final nunca é positivo.

P.S. - Já repararam como Marques Mendes anda muito activo ultimamente. Andará já a preparar o pós-PPC?

Sem comentários: