sexta-feira, setembro 17, 2010

Diferença do tamanho do mundo

O Tino leu que os portugueses, apesar da crise, trocaram de carro. Concluí que não há diferença entre governantes e governados. São todos despesistas.
A diferença é simples: quando nós compramos um carro usamos o nosso dinheiro, quando os governantes compram um carro fazem-no com o nosso dinheiro. Nós fazemos o que entendermos com o nosso dinheiro e assumimos as consequências, mas quando os governantes fazem o que querem com o nosso dinheiro, somos nós que teremos de suportar as consequências. O que está aqui em causa é uma questão de liberdade. A nossa liberdade varia de acordo com o poder de decidirmos o que fazer com o nosso dinheiro. Quando o Estado "rouba" parte do nosso rendimento e passa a decidir o que vai fazer com ele, a nossa liberdade diminui. Cada vez que os impostos aumentam, somos um pouco menos livres. Cada vez que os governantes desperdiçam o nosso dinheiro e nos mandam a conta, ficamos mais escravos de uma divida que não contraímos, que não queríamos e com a qual não queremos onerar os nossos filhos.

1 comentário:

Anónimo disse...

Por tudo isso é que sou cada vez mais favorável a um Estado mínimo que teria que ser complementado com legislação que impedisse os monopólios de privados. Tudo o que seja fragmentar o poder, seja ele político, económico, religioso, etc significa mais liberdade para o indivíduo. Quando as instituições públicas ou privadas são poderosas o destino de cada um fica nas mãos de meia dúzia de pessoas que as gerem. O destino de cada um passa a depender de decisões "políticas" de meia dúzia e não da competência e esforço de cada um. Veja-se as situações em que por meios administrativos foram socializadas as perdas dos grandes grupos financeiros.