quarta-feira, setembro 29, 2010

Assim se vê a gratidão

Depois do temporal de 20 de Fevereiro o governo português prontamente disponibilizou-se para ajudar a Madeira com uma verba de cerca de 1000 M€, apesar do país viver numa situação extremamente delicada de finanças públicas e apesar dessa ajuda à Madeira contribuir para o aumento da dívida e défice do País.

A UE muito relutantemente vai auxiliar a Madeira com apenas 30M€, com tinha sido anunciado há algum tempo e foi agora confirmado.

O deputado europeu, Nuno Teixeira, em vez de criticar a falta de apoio da UE de Durão Barroso e elogiar o apoio de Sócrates, faz precisamente o contrário.
Diz que a culpa da UE não apoiar com mais verbas é do governo da república.

Maior ingratidão não podia existir.

4 comentários:

Sancho Gomes disse...

e tu, já recebeste a parte que te cabe? é que ao que parece, os teus amiguinhos socialistas fizeram o que lhes é normal: prometeram, mas dinheiro que é bom, viste-o? (deve estar guardado para os rui pedros, os socrates, os varas do PS)

Tino disse...

Sancho,
A primeira tranche de 10M€ mensais já chegou em Agosto.
http://economico.sapo.pt/noticias/madeira-ja-recebeu-primeira-ajuda-de-10-milhoes-do-estado_97563.html

Nuno disse...

Tanto quanto percebi, a Lei de Meios supostamente deveria disponibilizar mil milhões de euros à Madeira. 10 milhões são trocados que nem pagam o que foi feito nos primeiros dias a seguir ao temporal, quanto mais o que já foi feito, sem dinheiro, em termos de suportes de ribeiras nas zonas mais críticas. Isto sem falar nas verbas para reconstrução de casas.

Quanto à UE ter "oferecido" somente 30 milhões, recordo que Durão Barroso, quando cá veio, avisou que as ajudas nestas situações não seriam significativas. Salvo erro acho que na altura foi mencionado um determinado valor máximo de ajuda possível que, se a memória não me atraiçoa, rondaria os 50 milhões.

Tino disse...

Nuno,
A lei de meios prevê 750 M€ de transferências directas do OE para a Madeira, entre 2010 e 2013.
Os 10M € que chegaram em Agosto foram apenas a primeira tranche.
Só este ano a Madeira receberá 50M€.

Além das tranferências directas existem também a afectação de verbas do fundo de coesão e o avale a um empréstimo no Banco Europeu de investimentos.