sexta-feira, setembro 10, 2010

Ainda a objectividade necessária

Miguel Fonseca, em resposta ao meu reparo e pedido de objectividade, achou por bem contestar, que afinal não tinha feito criticas aos outros partidos da oposição depois da apresentação da Plataforma Democrática.
Estando certo em relação ao PND e PCP, não está em relação ao CDS. No entanto, o objectivo da minha chamada de atenção era não perder tempo com essas minudências, e não perderei.

Noutro ponto, relativamente ao candidato que ambos apoiamos, como deve compreender o MF, não sou, nem pretendo ser o procurador do Victor Freitas. E muito menos o interpretador dos seus silêncios.
Eu, por exemplo, quando fico muito tempo sem escrever nada neste blog, significa que apetece-me fazer criticas violentas, mas tendo noção do impacto que teriam, contenho-me. Quando depois digo alguma coisa, é apenas a ponta do iceberg.
Cada um terá razões para os seus silêncios.

Nunca questionei os silêncios, relativamente à Plataforma Democrática, de Bernardo Trindade, Emanuel Jardim Fernandes, JS e Mulheres Socialistas, se bem que o silêncio destes últimos tem sido crónico.
Terão outras razões, iguais ou diferentes das do Victor. Não quero saber.

Tirando estes pormenores, interessantes do ponto de vista da intriga política, mas que valem zero, tudo o resto, nomeadamente o apelo à convergência, não só na acção mas também no discurso, é que deve nortear aqueles que desejam outras condições para fazer política na Madeira.

Sobretudo é preciso não cair no erro de achar que se ganhará votos canibalizando os restantes partidos da oposição. Nunca aconteceu e não acontecerá. Só retirando votos ao PSD é que haverá mudanças.

Sem comentários: