quinta-feira, maio 27, 2010

O Monstro

Gráfico retirado do Albergue Espanhol

O endividamento do estado português é de cerca de 74% ( Governo + banco central) do nosso PIB. O endividamento do nosso sector privado e dos bancos privados (que financiam as famílias, nomeadamente no crédito à habitação e crédito ao consumo) é de cerca de 150% do PIB, ou seja, o dobro do endividamento do estado.

Para a direita a solução para o problema de endividamento do País passa por impedir que o estado se endivide para fazer investimentos públicos para permitir que a banca tenha dinheiro para continuar a financiar o consumo.

Afinal o "monstro" é o estado ou são os privados, nomeadamente a banca, que prefere privilegiar o consumo em detrimento do investimento?

2 comentários:

Anónimo disse...

É verdade que a banca é o maior devedor externo no entanto, na práctica,essa dívida é dos privados que se financiam junto da banca nacional.

Seria interessante saber o nível de poupança dos portugueses para perceber da capacidade destes financiarem o Estado. Fala-se que o governo financia-se lá fora a 4% pagando menos de 1% aos detentores de Certificados de Aforro só que geralmente poucos se lembram que mesmo que o Estado paga-se a 4% os Certificados de Aforro não captaria poupanças nacionais suficientes para suplantar os seus déficits anuais. Sem falar que as obrigações que o Estado vende aos grandes investidores são por prazos longos. Com os certificados de aforro a 3 meses de vez em quando o Estado ver-se-ia a braços com aforradores a quererm recuper o seu dinheiro por causa de uma notícia menos boa...

Temos que produzir mais e consumir menos...não há outra solução...as engenharias financeiras funcionam mas não para sempre...

amsf

Anónimo disse...

1.º Quando se fala do "Monstro" fala-se de deficite orçamental nas finanças públicas. Este gráfico é relativo ao endividamente externo. coisas diferentes.

2.ª A banca nacional deve lá fora porque pediu para financiar projectos do Estado. Ou seja, para alimentar o Mostro.