terça-feira, abril 06, 2010

Os submarinos e o caso das casas foleiras

A tentativa de fazer ocultar o caso dos submarinos fazendo emergir de novo o caso das casas da Guarda e tão evidente que não consegue apanhar ninguém desprevenido.
Parece que para alguma comunicação social, um caso onde estão envolvidas luvas de vários milhões, gastos para o estado de mais de 1000 Milhões de euros e onde as contrapartidas negociadas são mera ficção, não tem a mesma importância de umas assinaturas nuns projectos manhosos de engenharia (apesar das casas continuarem de pé), mesmo que estes tenham sido feitos a pedido de conhecidos e não tenham sido remunerados.

Acho mesmo fantástico que se dê, e bem, destaque ás remunerações de alguns gestores mas ninguém se incomode, no meu entender mal, com o facto dum contra-almirante aposentado, que foi o testa de ferro neste negócio dos submarinos, tenha recebido 1,6 Milhões de euros (mais do que os Zeinais deste país), para ser intermediário entre os alemães e o governo português.

Nesta fase da crispação política em Portugal e na instrumentalização da comunicação social, o que interessa é atacar o carácter do primeiro ministro. Nenhuma notícia se pode sobrepor a este desígnio.
Entretanto o Público vai perdendo Público. Porque será?

5 comentários:

Roberto Rodrigues disse...

E não será o caso dos submarinos um caso ressuscitado para esconder o outro da compra da TVI pela PT?...

Leituras a muitas!...

Anónimo disse...

A verdade é que não podemos cair sistemáticamente na armadilha da clubite aguda pois estaremos, sem o querer, a "proteger" criminosos sob a alegação de que os "outros" são piores que os "nossos". É verdade que também não podemos ser ingénuos mas de qualquer forma temos que romper com este círculo vicioso. Em todos os partidos há gente a enriquecer à custa do país e sob protecção inadvertida da clubite aguda.

Se há pedófilos impunes na Igreja à sombra do medo do escândalo público também há "ladrões" nos partidos que proliferam e sobrevivem a custa de militantes e simpatizantes que trabalham e tudo fazem (honestamente) pelas suas cores partidárias.

Algo terá que ser feito. O país não conseguirá sobreviver moralmente e materialmente a tamanha podridão durante muito tempo...

A "podridão" tem tendência a alastrar da élite ao cidadão comum e não há riqueza neste país suficiente para alimentar tanto parasitismo. Todos nós somos culpados, uns activos outros passivos...

amsf disse...

É só para assumir a "paternidade" do comentário anterior "anónimo"...

Tino disse...

O Caso dos submarinos renasceu agora pela mão do Der Spiegel.
Estarás a insinuar que a mão socialista também domina a comunicação social na Alemanha?

O Negócios PT/TVI não existiu, e se há alguma condenação a fazer ao governo é por ter interferido num negócio de privados que era bom para ambos.

Roberto Rodrigues disse...

Tino,

O caso renasce judicialmente na Alemanha, é verdade!...

Agora o caso político renasce em Portugal pela mão do deputado socialista Ricardo Rodrigues que veio defender uma comissão de inquérito para apurar a “responsabilidade política” pela compra dos submarinos.

E tal como outros por aí já o dizeram, para além das responsabilidades criminais (pelo menos até agora), não coincidem com as possíveis responsabilidades políticas.

A tentativa é clara e visa travar as investigações parlamentares no caso TVI, que envolvem Sócrates.

O que acontece é que o PS não contava que a questão das contrapartidas também viesse a "tona" e com ela também as responsabilidades solicialistas na materia.

Não esquecer que só agora, passada uma legislatura após a compra dos tais submarinos é que o PS diz que a taxa de cumprimentos das contrapartidas é mto baixa, pelo que se impõe então a pergunta só agora é que perceberam isso? Pois! Conveniente!... E as suas responsabilidades?

O que era bom de facto é que se investigue aquela Comissão Permanente de Contrapartidas para ver se percebemos todos de uma vez por todas se afinal neste "caso" existem responsabilidades politicas e judiciais no meio disto.

Tudo o resto é o habitual... Nada!

Abraço

RR