quinta-feira, fevereiro 11, 2010

Perigoso

Mesmo achando que o tipo de jornalismo feito por Felícia Cabrita e Cia. é um nojo, na medida em que beneficia de fugas de informação selectivas que o poder judicial utiliza para queimar em lume brando o poder político, considero que o bem subjacente à liberdade de imprensa, mesmo má, é muito superior ao repudio que esse jornalismo me causa.

Estou portanto, completamente contra a ligeireza com que o poder judiciário decretou a censura de um artigo jornalístico.
Rui Pedro Soares tem todo o direito de não querer que conversas privadas suas sejam expostas na praça pública e actuou conforme achou que devia actuar. O juiz é que tinha o dever de pesar melhor os direitos em causa. E não o fez.

2 comentários:

Anónimo disse...

Lembra o grande presidente do STJ em entrevista a JS:
- se numa escuta telefónica ouvirem-me dizer que matei alguém, isso não quer dizer que realmente matei -
É verdade, mas convém que se averigue e não se arquive.

Anónimo disse...

o q vale é q temos um p.m. íntegro e honesto.