segunda-feira, janeiro 25, 2010

O que gostaria de ter ouvido Jacinto Serrão dizer !

Não sei qual a agenda escondida de Almeida Santos para repetidamente vir à Madeira elogiar os nossos adversários e a sua obra sem ter em atenção se isso prejudica a acção política do PS na Madeira. Mas também não estou para aturar desaforos dentro da minha própria casa. Assim sendo, quando Almeida Santos entrou na sala de congressos, saí eu.

Mas pelo que pude ouvir, as asneiras encadearam-se num ritmo estonteante. Começou por dizer que vinha em representação do Secretário Geral do PS. Então o Presidente do Partido (1ª figura) que tem a responsabilidade de representação do Partido vem em representação da segunda figura!?
Depois diz que há 40 anos a Madeira era muito boa porque não tinha acesso a notícias, nem as da ditadura do continente nem a nenhumas outras. Por esta ordem de pensamento o fim da comunicação social seria um oásis de felicidade.

Gostei sim de no dia anterior ter ouvido o caro Miguel Fonseca a falar do processo de descolonização e autonomia ter sido feito à pressa e ter conduzido a lógicas de partido único, e no dia seguinte ouvir Almeida Santos a afirmar que era um dos responsáveis pelo estatuto autonómico provisório, e que o tinha feito em 48h. Sem dúvida que explica muita coisa.

Mais uma vez ouvi Almeida Santos elogiar a obra de Alberto João perante o desagrado (que não impediu o aplauso) de Jacinto Serrão. É certo que JS no seu discurso não deixou de tocar no assunto para afirmar que em relação à obra de AJJ "nem tudo o que luz é ouro", mas gostaria que tivesse sido mais incisivo e duro.
Como Almeida Santos bem deve saber a questão não se resume à obra. Deve-se sim, muito mais, às condições de exercício de democracia e liberdade na Madeira. Mas quanto a isso, mais uma vez, nem uma palavra referiu.

Gostaria de ter ouvido JS dizer cara à cara a Almeida Santos que a democracia que se vive na Madeira seria vista como insuportável no continente. E mais insuportável é que o presidente do PS, se recuse a reconhecer o trabalho dos socialistas madeirenses e dedique parte do seu tempo a destruí-lo. Para isso é melhor que fique calado.

6 comentários:

Anónimo disse...

continua a bater no PS porque vais longe

Anónimo disse...

faço minhas as palavras anteriores

amsf disse...

O que diria Almeida Santos do Estaline e do Hitler dos anos 40, do Pinochet de meados dos 70 e 80? Do Xá dos Anos 70, do Partido comunista chinês da actualidade? Não há qualquer dúvida que essas lideranças implementaram um forte desenvolvimento económico nos seus respectivos países! O problema é que a "viagem" não é o destino (economia) mas a caminhada (Justiça, Direitos humanos, Democracia, etc)!

amsf

Michelangelo disse...

Tino,

uma vez mais não podia mais estar de acordo contigo.

Relativamente a Almeida Santos esteve ao seu nível habitual...trata-se de uma das personagens mais sinistras da democracia portuguesa e mais não digo.

Quanto à sua agenda passa mais pela defesa de certos interesses privados que de qualquer espécie de bem comum.

De qualquer forma os madeirenses podem sempre lhe agredecer o programa 'Pagar na Hora'...ou numa versão mais longa 'Programa para mandar dinheiro para a Madeira por forma a certos 'empresários' receberem os valores em dívida pelo governo regional'...

Anónimo disse...

Se eu fosse o líder do PS/M e não houvesse revisão da LFR contra atacava lançando um desafio ao AJJ! Este quererá mais uma vez fazer render a arma de arremeço "LFR" contra o PS/M pelo que há que pressioná-lo a tomar decisões incompreensíveis para a população.

-Se em 2007 havia razões para ele se demitir porque não agora fazer o mesmo?

Questionar sobre este desenvolvimento económico/político que se diz autonómico mas que no entanto não consegue sobreviver sem um aumento constante dos fundos que vêm do exterior.
Questionar uma sociedade que aceita a argumentação do menino mimado que atribui de forma sistemática a culpa do que corre mal aos outros...

O objectivo não é derrotá-lo nas urnas pois não é ai que ele será vencido. Quando ele sair de cena será porque a mentalidade da maioria dos madeirenses mudou (a bem ou a "mal"). Ele será vencido pelo peso dos c/ de 20 anos de regabofe que liderou. Os mesmos que trocaram uma "espetada" pelo voto não aceitarão ter que pagar a "espetada" segunda vez! A maioria não aceitará pagar uma factura que pensa já estar paga! A maioria não tem consciência de que vivemos durante estes últimos anos acima das nossas possibilidades e que isso terá o seu preço. A propaganda é poderosa no entanto a realidade é-o ainda mais.


O PS/M não pode ficar à espera de 2011 e depois de 2016...

O PS/M tem que acelerar as contradições do regime e falar verdade às pessoas. A Madeira bem como o país vão ter que apertar o cinto. Os "grandes" líderes não perdem paulatinamente as eleições. Quando caem, caem desamparados e levam atrás a sociedade que os seguia. É necessário acelerar esse evento para que o futuro não fique comprometido com dívidas e compromissos insuportáveis.

amsf

Anónimo disse...

oh, rapaz. mas tu nah tenx maix q faxa? xó criticax e criticax. é mexmo coisa de gajuh com dor de cornuh.