terça-feira, abril 07, 2009

Retalhos de uma purga saloia

Declaração de interesses: Como advogado prestei serviços ao Grupo Parlamentar do PS na altura da Presidência de Bernardo Trindade. E, posteriormente, ao Partido Socialista. Numa fase inicial apenas ao Presidente e depois à Direcção e aos autarcas. Cessei essa ligação em Agosto de 2007.

Na senda da purga interna levada a cabo no PS-Madeira foram sumariamente afastados dos seus cargos o presidente do Grupo Parlamentar, Víctor Freitas, e o Secretário-Geral, Jaime Leandro.

Na altura foram colocados a correr boatos que colocavam em causa a honrabilidade de Jaime Leandro. Na mesma altura em estava a trabalhar fora da Madeira, mas uma "fonte" bem colocada telefonou-me a "explicar" que tinham acontecidos "coisas graves" e deu exemplos. Pareceu-me logo uma história muito mal contada. O Jaime é um quadro do Tribunal de Contas e até por "defeito" profissional não se enquadra no "aldrabão" que me quiseram vender. Eu disse que transmitisse ao seu chefe que não era assim que se procedia com os nossos camaradas. Que as divergências políticas são normais, mas não deve ser os dirigentes do Partido a arrastar pela lama o nome dos seus camaradas alastrando esses boatos difamatórios. Quando cheguei à Madeira fui a uma Comissão Regional onde o Jaime Leandro explicou, e provou com documentos, que os boatos que corriam sobre a sua gestão eram falsos.

Na edição de hoje do Diário, uma "fonte" que se demonstra estar por dentro da contabilidade do PS e do Grupo Parlamentar, usa exactamente a mesma estratégia contra Víctor Freitas.

A purga saloia continua. Como se fosse difícil perceber quem são as "fontes" destes boatos, quem tem interesse em eliminar politicamente o Jaime e o Víctor. E, na sua "visão estratégica" de perpetuação no poder, lá vão lançando o nome de camaradas na lama e denegrindo a imagem do Partido Socialista.

Nesta altura devo estar uma "lista negra" de criação de boatos. Mas não será isso que me fará recuar na minha solidariedade para com o Víctor e o Jaime e no combate por um Partido credível e onde estas purgas não tenham lugar.

Tenham medo, muito medo...

3 comentários:

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
amsf disse...

Corrigir "[...]na altura da Presidência de Bernardo Trindade." [Bernardo Martins]!

Em política não basta ser, infelizmente é necessário também parecer!

Na sequência da notícia de hoje (DN) investiguei, recorrendo a fontes desinteressadas na questão, e concluí que os trabalhos em questão podiam (ou deviam) ser executados pelos funcionários do partido. Objectivamente não conheço o quadro de funcionários do PS/M nem as suas remunerações mas aqueles trabalhos parece-me que seriam exequíveis por aqueles. Assim se evitariam estes embaraços desnecessários! Espero que no futuro não apareçam novos Isidoros, pessoas habituadas a serem pagas acima dos preços de mercado, que quando sentirem os seus interesses pessoais postos em causa abandonem o PS/M.

Isidoros que depois vêm afirmar que 50% do trabalho partidário que fizeram foi gratuito. Aliás, faz-me lembrar um indivíduo de Gaula, agora "fora" do PS/M que teve direito a uma carrinha durante um longo período. Indivíduo que como presidente de Junta (e presidente da Associação de Autarcas) foi-me enviado para dar a táctica de como enfrentar uma série de ilegalidades na Junta da Madalena do Mar. A coisa começou mal, com ele a teimar que o prazo de envio de uma convocatória para uma Assembleia de Freguesia (ordinária) era de 5 dias e não 7! Como é evidente as "soluções" que ele trazia já as tinha experimentado!

Paulo Barata disse...

AMSF,

não há correção a fazer.

Paulo