segunda-feira, abril 30, 2007

Há por aí alguem que ache normal...

...que um partido se apresente a eleições sem um programa de governo que identifique os principais problemas da RAM e que apresente as soluções necessárias para a resolução destes problemas?

Alguem sabe como é que o PSD resolverá (ou tentará resolver) o problema do desemprego!?

Alguem sabe como é que o PSD resolverá o problema da diminuição de dormidas no turismo!?

Alguem sabe como o PSD resolverá o problema do endividamento, ou sequer se acha um problema!?

Nada disto é discutido.
O povo não quer saber destas complicações, apenas quer saber se vai viver melhor ou pior.
Neste momento o povo acha que o governo de socrates o penalizou, mesmo que o não sinta directamente (como é o caso do fecho das urgências).
Seria agradável que a Comunicação Social nesta última semana de campanha se centrasse nos problemas da Madeira e no confronto dos vários projectos de governo. É esse o papel que se espera de uma comunicação social isenta.

domingo, abril 29, 2007

Inevitável, é este o caminho

Secretário-geral da OCDE defende aplicação de taxas ambientais a empresas

O secretário-geral da OCDE, Angel Gurria, defendeu hoje a aplicação de taxas ambientais às empresas poluentes em termos energéticos, defendendo «mais incentivos ao uso de tecnologias energéticas limpas», para dissuadir investimentos em actividades produtoras de dióxido de carbono.


No Sol

Infelizmente na opinião pública falada e escrita do nosso país, escasseiam os temas ambientais. Todavia, estão no centro da discussão desde, há muito, na Europa do Centro e do Norte. São discutidos quase que em exclusivo nos corredores dos departamentos das universidades nacionais. O cidadão exige que seja esclarecido pelo agravamento de determinado imposto ou taxa, no caso, devido às externalidades ambientais.
Qualquer produto tem inerente ao seu processo de produção determinados custos ambientais. Por exemplo: produção de CO2, contaminação dos solos, águas, impacto na biodiversidade, desvalorização económica dos ecossistemas, etc. portanto há que, internalizar no custo final do produto, pago pelo consumidor, esta (s) externalidade (s) ambiental (s). Como medidas que minimize/mitigue estes custos ambientais são comummente utilizados os denominados instrumentos de politica ambiental (IPA). Os mais conhecidos são: Direito de Propriedade, Padrões (ex. valor de poluição máximo admissível), Comando e Controlo (intervenção normativa e reguladora do Estado), Educação Ambiental e as Taxas Pegouvianas (integra as taxas acima referidas).

É uma questão de equidade social e ambiental. Quem polui, quem pretende poluir ou quem tem disponibilidade para pagar suporta as externalidades ambientais. Tudo explicado pela curva da oferta e da procura.

É também uma questão de competitividade económica. Conforme Angel Gurria refere, não basta um país ou empresa exercer em exclusivo uma destes instrumentos, têm de ser aplicados na mesma forma às organizações equivalentes integrados numa economia de mercado. Um exemplo: um determinado supermercado custeia os sacos de plástico (houve tentativas mas pouco conseguidas em Portugal) para despromover o uso do saco de plástico mas incentivando a utilização de um saco único para várias ocasiões (trazido pelo consumidor), no entanto, os restantes supermercados concorrentes exercem como medida de concorrência e visando a atracção de cliente a não aplicação deste custo, consequência, fragiliza e desincentiva a aplicação deste instrumento de politica ambiental. Exige-se portanto, neste caso, a aplicação de medidas de Comando e controle (de ordem administrativa ou reguladora pelo Estado) complementar à taxa pegouviana, de modo a que as empresas integradas por exemplo no espaço da OCDE, não existam umas beneficiadas e outras penalizadas. Todas em semelhante situação concorrencial. É neste contexto que o secretário-geral da OCDE defende a aplicação de taxas numa economia de mercado.
São já muitos os exemplos onde se aplicam os IPA’s. P. ex.: no novo imposto automóvel, combustíveis, energias, OGM’s (ao nível de Comando e Controlo na UE), etc.
Raras são as vezes em que são explicados.

Debate Ségolène - Sarkozy na SIC Notícias


A SIC Notícias vai transmitir amanhã, quarta-feira, às 00h30 o único debate (legendado) das eleições francesas entre Ségolène Royal e Nicolas sarkozy, que vão a segunda volta de eleições no próximo domingo.

Independentes denunciam traficantes


Ismael Fernandes, porta-voz da iniciativa, (...) apontou o exemplo de São Martinho onde vive um traficante, de nome Ricardo Jardim (o “Verga”), que há 10 anos vende droga e faz a ligação com o bairro de Santo Amaro, através do cunhado, Clécio, que lá vive. Outro dos traficantes Narino, em conjunto com um africano fornece a zona da Nazaré e do Bairro da Ajuda, apontou.

«Deixo aqui uma boa pista para as entidades competentes, nomeadamente, a PJ e a PSP para retirarem estes traficantes do meio em que estão e pô-los no lugar onde é devido».


No JM de 18 de Julho de 2006.

sábado, abril 28, 2007

Conhecer Paulo Portas (alterado)


Paulo Portas (PP) não é nada ingénuo. Sabe quando, onde e como aparecer na cena politica. No último debate mensal com o Primeiro-Ministro (PM) PP lançou um desafio. Aproveitar a reforma do Parlamento, em discussão na Assembleia da República (AR), para introduzir no documento a possibilidade do PM ir mais vezes à AR. É uma proposta que eu concordo. No entanto, os verdadeiros motivos de PP não são os desejos legítimos de maior envolvimento e auscultação dos partidos da oposição ao Governo. PP procura protagonismo. Pretende assumir-se como o líder da oposição. Louçâ anda adormecido, Jerónimo nunca foi, e Marques Mendes sonha. PP sabe que o seu actual terreno político é na AR. Faltam dois anos para as Legislativas. É um bom orador. Pensa tirar vantagens políticas daí. Os adversários são Marques Mendes e o PM. PP foi ambicioso quando se apresentou à eleições internas. Tornar o CDS/PP num grande partido. Assumiu alcançar pelo menos o dobro da participação eleitoral que vem obtendo. Para tal terá que concorrer com o PSD pelos eleitores do centro e da direita mas potenciais eleitores do PS em 2009. São os estudos de opinião que o confirmam. Para Sócrates é um bom desafio. Pode inclusivamente ser muito útil. Mas, para Marques Mendes será acelerar o seu fim.

A tarefa de PP é difícil, muito difícil. Penso até que PP duvida desse sucesso. PP aspira a outros objectivos. É o desejo de voltar ao Governo da República em 2009 com um Governo PS. Embora não esteja de parte a possibilidade do PS ganhar com uma nova maioria absoluta, será porventura, mais difícil. PP sabe-o. PP perfilha-se para ser o parceiro do PS em 2009. Definitivamente, o BE não o será. Se em determinados temas, ao nível sectorial, o BE apoia as políticas de Sócrates, existem questões fracturantes que desunem este PS do BE de Louçã. PP minou o CDS de Ribeiro e Castro (palavras deste), arruma o PSD de Marques Mendes e pressiona o PS de Sócrates para uma futura coligação.

quarta-feira, abril 25, 2007

Retratos do PSD Madeira

O rigor com que o PSD trata as questões financeiras não deixa de me surpreender.
Primeiro foi a questão da LFR que nos iria retirar 450 M€, que depois se transformaram em 300 M€, e como o povo tinha alguma dificuldade em compreender, passaram a 300 Milhões de Contos, que para simplificar passou a significar 2 Aeroportos.

Quanto a desperdicio as contas já são outras. A Marina do Lugar de Baixo passou de 36 M€ (mais de 7 milhões de contos) para uns insignificantes 2 milhões de contos.

Ficamos também a saber que o nosso sistema de saúde é muito melhor que o do continente, e que 1 médico por cada 2500 habitantes cá, é muito melhor que 1 médico por cada 1500 lá.

Ouvi também AJJ a prometer pela 3ª vez (regionais 2004, autárquicas de 2005 e agora) que o bairro de Santa Maria (com mais de 30 anos), em Santa Maria Maior, seria remodelado e que ele nunca deixa de cumprir as suas promessas.

Vi também AJJ, num adro de igreja, a comportar-se sem o minimo respeito pelos adversários politicos, chegando mesmo a chamar anormais a pessoas que não conhecia de lado nenhum. Se quer ser respeitado devia dar-se ao respeito.

terça-feira, abril 24, 2007

The party must go on!

Depois todos foram convidados para o almoço "oferecido pelo empreiteiro da obra", o consórcio Soares da Costa e AFA, uma construtora ligada a empresários do PSD madeirense. À volta da rotunda, os populares, enfileirados, esperavam que lhes fossem servidas as típicas espetadas, carne de vinha-d"alhos, feijoada, tudo bem regado com bebidas à discrição. Em zona reservada, com separador de giesta guardado por seguranças, Jardim e demais entidades convidadas tiveram direito a outra ementa especial, sob tenda protectora do sol.

No Público por Tolentino de Nóbrega.

Claramente, um país dois sistemas

Na 33ª comemoração do 25 de Abril, aconteceu:

os que defendem a actual Lei das Incompatibilidades para a RAM, o JM, etc. na Assembleia da República são os mesmos que disseram isto;

um bom exemplo do que digo.

Sugestão: Ler o post de Ricardo, nem a próposito, em Filho do 25 de Abril.

Porque é Abril!


Isto vai meus amigos isto vai
um passo atrás são sempre dois em frente
e um povo verdadeiro não se trai
não quer gente mais gente que outra gente
Isto vai meus amigos isto vai
o que é preciso é ter sempre presente
que o presente é um tempo que se vai
e o futuro é o tempo resistente

Depois da tempestade há a bonança
que é verde como a cor que tem a esperança
quando a água de Abril sobre nós cai.

O que é preciso é termos confiança
se fizermos de maio a nossa lança
isto vai meus amigos isto vai.


''O Futuro'' por José Carlos Ary dos Santos

segunda-feira, abril 23, 2007

...o senhor padre já disse?

"Domingo é que eu venho aqui inaugurar esta obra nova, o senhor padre já disse?". Jardim promete que "vai ser uma festa".

No JN

sábado, abril 21, 2007

Resposta a Pedro Quartin

O que pretende Pedro Quartin? Esconder o que está à vista de todos? Intimidar? Censurar? Mas com que fundamento? O tempo do lápis azul e da censura já lá vão.

Caro Pedro Quartin, a permiscuidade é evidente. Não se engane a si próprio.

Acha correcto que dois indivíduos se filiem noutro partido, que eu desde há muito respeito e considero, para usar e abusar de forma oportunista os Princípios e a imagem do MPT? Mas é assim. De um dia para outro surgiram estes oportunistas declarando-se ambientalistas a liderar uma candidatura de circunstância. Porque conseguiram o financiamento para a campanha. Esta é a verdade. Eles cedem as verbas, formam a lista, e as contrapartidas para o MPT é aparecer numa eleição e numa região onde nunca teve influência. Tudo para manter os tachinhos destes indivíduos na ALM mas incentivados por outros.

Na política não vale tudo!

sexta-feira, abril 20, 2007

A verdade que faltava

(...) O MPT (Movimento Partido do Tacho), recrutou delegados para as mesas de voto. Surpresa (ou não), parte são jovens militantes da JSD…. Comentários para quê…


Retirado do Depende das Opiniões.

quarta-feira, abril 18, 2007

Emigrantes ou imigrantes?

Os títulos do DN e do JM sobre a intervenção do MPT no dia de ontem:

''Habitação é problema para emigrantes'' - DN

''Imigrantes com dificuldades para adquirirem habitação'' - JM
O mesmo assunto visto em duas perpectivas..., bem diferentes.
Mas em destaque no blog do MPT

1+1=?

''Cavaco Silva terá recusado, em finais dos anos 80, um investimento de milhões de euros na Madeira em troca de exílio do antigo ditador das Filipinas, Ferdinando Marcos.''
Revista Sábado Nº 154

O valor do Ensino

É com alguma frequência que vemos colocada a questão: estudar compensa?
Os argumentos falaciosos de que existem licenciados no desemprego ou que "muitos" licenciados não trabalham em áreas para as quais estudaram, contrasta com o facto de percentualmente o desemprego ser muito inferior entre os licenciados do que nas pessoas de baixa escolaridade.
Um licenciado, devido á abrangencia dos seus conhecimentos, facilmente se adapta a um grande número de tarefas. O mesmo não se passa nas pessoas com poucas habilitações.
Veja-se o caso dos trabalhadores texteis ou da construção civil, que por terem baixas qualificações são os primeiros a sofrer em tempo de crise, e a terem extrema dificuldade em se adaptar a novos empregos.

A propósito deste tema ver post de Rui Pena Pires.

Balanço de Campanha

Ao demitir-se e recandidatar-se, o demissionário presidente do Governo da RAM esperava retirar proveitos em diversas frentes.
1 - Esperava encontrar o PS M em maré baixa devido á lei da LFR.
2 - Esperava encontrar o PS M sem capacidade de organizar uma campanha eleitoral em tão pouco tempo.
3 - Esperava que a elaboração da lista do PS M desse bronca da grossa.

Nada disto veio a verificar-se.

Os madeirenses há muito que se aperceberam que os problemas que atingem a madeira foram provocados pelo PSD, uma vez que a Lei de Finanças Regionais não tem efeitos retroativos. O desemprego atinge mais de 8000 madeirenses, o endividamento é galopante e a emigração voltou a ser uma realidade em muitas familias.

O PS M revelou uma capacidade organizativa que não era habito no passado. Logo na primeira semana de campanha surgiram os cartazes com mensagens fortes que fizeram passar para segundo plano a intoxicação feita pelo PSD. Neste momento todos os concelhos e freguesias têm planos de campanha que não se limitam á passagem do lider pelos sitios.

Na elaboração da lista, Jacinto Serrão ouviu muitas pessoas e muitas sensibilidades, mas a decisão final foi exclusivamente dele. Concerteza que houve alguns descontentes (poucos), mas houve também a certeza que os critérios estabelecidos pelos orgãos do PS M foram no geral respeitados.

Concerteza que o PS M através do seu trabalho vai conseguir mostrar aos madeirenses que existe uma alternativa credivel para governar a madeira.

terça-feira, abril 10, 2007

Concursos Públicos

Isto de ter que fazer concursos públicos é uma maçada. Que o diga o Presidente da CMF que no caso dos estacionamentos teve que inventar uma série de critérios à posteriori para que um determinado grupo empresarial ganhasse o concurso.
Não sei quais foram os critérios criados de modo a encaixarem que nem uma luva na dita empresa, mas sei que em outros concursos, esses critérios revelam uma elevada criatividade por parte dos nossos governantes.
Dos mais criativos que eu conheço, está o que levou a actual empresa que detem a exploração do centro de inspecções da Madeira a ganhar o concurso.
Nessa altura, e com um critério (entre muitos outros) também criado depois de aberto o concurso, o factor decisivo de atribuição da licença foi........Qualidade arquitectónica.
É ou não é revelador?!

domingo, abril 08, 2007

Judas:o Crente

O papel de Judas é frequentemente associado á traição. No entanto, se pensar-mos um pouco mais profundamente sobre o assunto, podemos chegar á conclusão que o papel de Judas é o papel da fé. Uma fé tão grande que apenas ele acreditou que Jesus era realmente o filho de Deus e que seria capaz de resuscitar.
Mais nenhum apóstolo foi tão longe na sua fé.
Como sempre, intimamente ligado á fé, está a duvida. A dúvida de ter levado á morte o seu mestre e amigo, mesmo que este não fosse o messias, levou-o a cometer suicidio.

Todo o evangelho está repleto de simbologia, e neste caso como noutros, aqueles que são vistos como traidores, são os têm as convicções mais fortes e fazem o que deve ser feito para atingir o bem de todos.

quinta-feira, abril 05, 2007

A queda vertiginosa do PSD



Enquanto o PS mantém-se constante e sempre acima dos 40% o PSD está em queda desde Julho de 2006. Hoje o PSD vale 25%.

Do Barómetro Marktest de 3 de Abril.

quarta-feira, abril 04, 2007

SRS falida

Soubemos através de um relatório da Secção Regional da Madeira do Tribunal de Contas sobre as empresas participadas pelo governo regional, que diversas dessas empresas estão técnicamente falidas.
Uma delas, a SRS EPE apresenta mesmo um passivo de 71 milhões de euros.
O que significa isto? Significa que os madeirenses vão deixar de ter acesso a cuidados de saúde?
Não.
Significa apenas que ano após ano o governo regional deixou o SRS com saldo negativo, levando à situação em que o passivo é superior aos activos da SRS.
Esta prática do Governo Regional apenas significa uma desorçamentação dos gastos em saúde. Ano após ano o GR orçamenta gastos com a saúde que apenas cobrem parte dos reais custos.
Esta prática foi comum no passado com diversos governos da república e os resultados foram os que todos os portugueses tiveram a oportunidade de ver, isto é, endividamento e défice crescente.
O PSD ou por falta de vontade ou por falta de capacidade não tem enfrentado este problema.
De que estão á espera os madeirenses para mudar este estado de coisas?!
Só o PS está preparado para levar a Madeira a bom porto.

terça-feira, abril 03, 2007

Os oportunistas dos pseudo-ambientalistas

Lembro-me de nas autárquicas de 2005 a candidatura do PS andar a fazer campanha em São Martinho. Momentos antes de iniciarmos a distribuição de material reparei que um dos elementos andava a retirar papéis do carro de campanha e a atirá-los para um terreno baldio. Nunca mais esqueci-me desta imagem. Hoje este senhor é um dos cacacacandidatos (desculpem a minha gaguez) oportunistas do Movimento do Partido da Terra. Um pseudo-ambientalista.

Este partido foi fundado pelo Arq. Gonçalo Ribeiro Teles. Foi o precursor da defesa do ambiente em Portugal. Uma personalidade que aprendi a respeitar e que é hoje uma das minhas referências na área do planeamento e gestão dos espaços naturais.

Existir uma candidatura do MPT encabeçada por este senhor é uma vergonha para o MPT e para os seus militantes, para os que fundaram e fazem fé nos princípios em que assentam a defesa do ambiente, mas também para os que de forma ingénua e desinteressada juntaram-se a esta lista na região.

Verdades inconvenientes ou mentiras convenientes?


Fico surpreendido com a falta de vontade que muitas pessoas têm de ser confrontadas com o contraditório.

Nos videos seguintes podemos ver alguns argumentos que desagradam muito aos defensores do investimento na redução da emissão de C02.

O primeiro video (18 min) é uma apresentação do Copenhagen Consensus 2005 com o homem que escreveu o livro O Ambientalista Céptico, Bjorn Lomborg.

O segundo, é um video (75 min) sobre as causas reais do aquecimento global.



segunda-feira, abril 02, 2007

Só asneiradas

Resolvido!
Ficamos a saber pelo candidato oportunista do MPT, o senhor Ismael Fernandes, que a solução para diminuir os focos de toxicodependência na região passa por abrir esquadras da PSP. Nem mais.
Para quê as medidas de prevenção primária, CAT's, centros de tratamento, equipas de rua,...

Estes tipos põem-se a atirar postas de pescada para a opinião pública sem saberem sequer do que estão a falar.

E assim é a política regional.

Demagogia fiscal

Apareceram recentemente espalhados por toda a Madeira uns paineis publicitários que já andavam pelo continente há algum tempo.
Num desses cartazes é indicado (com referência ao INE) que cada português paga mais 330€ de impostos. A informação é tão fraca que nem faz referência ao periodo a que corresponde esse aumento. Será por Mês, por Ano?!
Também não diz, porque não interessa dizer, que o Governo Regional beneficia de grande parte desse aumento.
Também não diz, mas podia dizer, porque é verdade, que as Regiões autonomas têm alguma aunonomia fical, e que podem reduzir até 30% as taxas cobradas no continente.
Nesses apineis publicitários, também não diz que nos Açores, impostos como o IRS são mais baixos que na Madeira. A titulo de exemplo, para saber quanto pagaria a menos de IRS se vivesse nos Açores, basta que na simulação da declaração electrónica dê a indicação que vive nos Açores. As diferenças são muitos significativas.
Se o governo regional da Madeira considera tão mau o aumento de impostos, então porque não os baixa?
A demagogia do PSD parece que não tem limites.