sábado, março 31, 2007

A ironia do destino...

O actual Governo Regional demitiu-se alegando dificuldades financeiras. Acontece, e eu ando relativamente bem informado, que muitas das obras públicas actuais estão a acelerar os trabalhos, com muitas horas extraordinárias que se arrastam até de madrugada, para serem inauguradas até 4 de Maio.

Eu também sei que o enrocamento recém inaugurado da Ribeira Brava, também com muito trabalho extraordinário, está ainda em ''construção'', houve muito trabalho apressado mal feito. Tudo para estar pronto para a inauguração.

Alguém surpreendido?

sexta-feira, março 30, 2007

Ainda sobre Allgarve

A leitura dos artigos de opinião de José Crespo de Carvalho é obrigatória.
A ler ''Allgarve, All Cool'' no Semanário Económico.

quinta-feira, março 29, 2007

Câmara escura


Acho incompreensível que a Assembleia Legislativa da Madeira aínda não tenha um sistema de captação de imagens.
Os plenários, ao contrário das comissões especializadas, são públicas, por isso, seria interessante, para não dizer decisivo para a qualidade da nossa democracia que um maior número de pessoas pudesse ter acesso a essa informação.
A transmissão dos plenários em tempo real, na internet ou através de um canal especializado de tv cabo, é possível tecnicamente, e só não foi feito aínda por razões como a falta de transparência.
Uma coisa é ter acesso á informação já tratada/filtrada pelos orgãos de comunicação social e outra completamente diferente é aceder á informação em bruto.
Para terminar, gostaria de poder aceder a informação dos diversos parlamentos nacionais e regionais, através da TV Cabo (AR Tv), para assim mais facilmente comparar a qualidade do trabalho realizado nos diversos sitios.
A nossa democracia ficaria a ganhar muito com isso.

quarta-feira, março 28, 2007

Estamos Preparados


já existe Blog de Campanha.
Ver link na barra lateral.

terça-feira, março 27, 2007

Lobo vestido de cordeiro


Disseram-me (mas eu não quero acreditar) que o DN-M têm um novo editor chefe, mas só até ao dia das eleições legislativas regionais.
Sai Calisto entra Ricardo Miguel Oliveira(muito próximo de Cunha e Silva).
Certo é que já se notam algumas diferenças de critérios editoriais, mas também é possivél que a mesma pessoa possa mudar conforme se aproxima o acto eleitoral e o ambiente aquece.
Vamos a exemplos. No passado Sábado, a JS realizou uma sessão de apresentação das propostas para as politicas de juventude. Participaram mais de 150 pessoas. O destaque dado a este evento (comparado com outros de menor participação) foi vergonhoso.
Por outro lado, numa formação para delegados e membros de mesas de voto, em que a participação foi enorme, e que devido a esse facto, foi necessário arranjar uma sala maior, o destaque que o DN-M dá é sobre a irritação de uma senhora devido ao atraso no inicio da referida formação.
São critérios editoriais estranhos, não são?

domingo, março 25, 2007

A não perder

A entrevista de Mário Soares ao Público de hoje.

Eles lá sabem...

Um significativo apoio à Igreja Católica foi prometido por José Ramos-Horta no primeiro comício da campanha para as eleições presidenciais de Timor-Leste, marcadas para 9 de Abril.

No seu discurso em Díli, Ramos Horta citou o Concílio Vaticano II e propôs mesmo "a inclusão de uma referência significativa a Deus" na Constituição de Timor.


No DN

OPA, OTA e outras estórias

O renascimento do dossier OTA é paradigmático. Termina a grande OPA, reinicia a OTA. Somos todos manipuláveis. Controla-nos a Comunicação Social. Quem controla a Comunicação Social? Balsemão, Belmiro e Oliveira. Só.
Eles sabem, as emoções vendem. A polémica rende. O oportunismo político segue-a.

Reconheço que o tema ''OTA'' ainda não me despertou muito interesse. Podemos atacar pela falta de estudos. Pela localização. Desnecessário. Outras alternativas viáveis. Pelas condições de solo e atmosféricas. Insustentável. Luxuoso. blá blá...

O Governo defende-se. Ainda não passou de estudos. O TGV passa por lá. É um novo modelo público-privado. O Estado entra apenas (?) com 20%, os privados com os 80% do custo. Gere os privados (valha-nos isto).

Quantas OTAs existem na Madeira?

Concordo em absoluto!


...tenhamos por exemplo empresas privadas envolvidas na gestão de espaços naturais protegidos. Não há nada na lei que o proíba, não é uma obrigação exclusiva do Estado e da Administração Pública. Poderá, como noutras áreas, abrir-se a privatizações. (...) Desde que a conservação seja feita, não vejo impedimento nenhum. Isso poderá criar oportunidades para maior investimento nas áreas protegidas, na conservação da natureza, porque são factores de desenvolvimento e potenciação de áreas novas de negócio e criação de emprego local, com base nesses valores naturais.

Domingos Abreu (DR Ambiente) no JM

Nem mais


se um «pé-de-inhame» se candidatasse pelo PSD, se calhar era eleito. Muitas vezes a população nem sabe em quem vota

Adelino Silva, vereador do PS na Câmara Municipal de Santana. No Tribuna

Para comprender o passado recente, o presente e o futuro próximo

O que a Madeira tem agora são restaurantes e hotéis vazios. Nós dependemos do turismo e o turismo na Madeira é um desastre. As receitas têm baixado entre 30 a 40%." Aponta culpas: "O problema é que temos um jovem director do turismo cuja única experiência no sector foi gerir um cinema.


Gary Stevens no Tribuna da Madeira
(proprietário do famoso balão)

No comments

O presidente do Clube de Campismo de Lisboa anunciou hoje que vai pedir uma indemnização ao Governo pelos danos provocados pelo avanço do mar, na última semana, na Costa da Caparica, indicando que estes ascendem a milhares de euros.
No Público

sábado, março 24, 2007

Ou há moralidade ou mamam todos

A imprensa nacional dá hoje eco da promiscuidade existente na gestão de empresas municipais.
Muitas dessas empresas não passam de fachadas para que os autarcas/gestores pudessem receber umas massas extra. Segundo a imprensa, esses gestores ganhavam em média 75% a mais que o Presidente da República, mais prémios de produtivedade duvidosos, além do ordenado de autarca.
Como é óbvio, para estes, a nova Lei das Finanças Locais é uma péssima noticia, uma vez que impede que um autarca/gestor municipal ganhe mais do que como autarca.
Esta situação escandalosa tendia para a generalização, muitas vezes em autarquias praticamente falidas e com pouco para gerir.
Como sempre, virá o Dr. Relvas dizer que isso não passavam de situações pontuais e que os autarcas não podem ser todos condenados por erros de apenas alguns. Concordo.
Mas se esta promiscuidade não for permitida NUNCA, ficamos concerteza muito melhor.
Neste caso tal como em muitos outros o Governo Socialista optou pela moralidade.
O que dirão agora os que tiveram responsabilidades governativas antes e nada fizeram?

terça-feira, março 20, 2007

Costa da Caparica


Ao ver as recentes nocicias sobre a invasão do mar na costa da caparica lembrei-me de um post do Nelio de Sousa sobre os recifes artificiais.
Na imagem acima podemos ver o resultado da aplicação dos recifes artificiais para a protecção da orla costeira em Miami.
Os resultados são fabulosos.
Estas imagens mostram que com o devido estudo da movimentação de sedimentos e com algumas intervensões cirurgicas é possivel repôr uma situação de equilibrio em que todos os interesses ficam salvaguardados.
Pagar este conhecimento altamente especializado pode sair caro, é verdade.
Mas a ignorância concerteza sai muito mais caro. Só na primeira intervenção de tentativa para impedir o mar de chegar ao parque de campismo da costa da caparica custou 50 mil contos e de nada serviu. É caso para dizer que foi dinheiro deitado ao mar.
O tipo de solução encontrado na Madeira para tentar impedir os impetos marítimos são da mesma natureza que os que vão ser aplicados na costa da caparica, isto é, engenharia pesada (muito betão a emergir do mar e muita descaracterização paisagistica).
Havendo outras soluções com menos impactos visuais e aparentemente com melhores resultados, porque se insiste nesta aposta na ignorância?
Não consigo compreender.

Evolução da taxa de desemprego na Madeira

O Comunicado do Sr. Secretário Regional dos Recursos Humanos não é rigoroso, já que apenas compara a taxa de desemprego da Madeira do 3.º trimestre (Julho, Agosto e Setembro) com a do último trimestre (Outubro, Novembro e Dezembro) de 2006. Ora, de facto o número de desempregados na Madeira teve um ligeiro abrandamento no último trimestre de 2006 na Madeira, mais precisamente 0,3% (quase nada) e isso deve-se ao facto desse trimestre coincidir com o Natal e fim-de-ano, altura em que excepcionalmente o comércio, o turismo e a restauração emprega algumas pessoas para fazer frente ao aumento de actividade própria da época. Contudo, se analisarmos a evolução do mês de Dezembro de 2006 para o mês de Janeiro de 2007, verificamos que só em um mês o desemprego aumenta 5%, confirmando que o desemprego na Madeira continua a subir de forma imparável.

Assim, e segundo os dados oficiais do Instituto de Emprego e Formação Profissional (confirmar no site: www.iefp.pt ) em Janeiro de 2002 havia 4.065 desempregados na Madeira e em Janeiro de 2007 havia 8.895. Quer isto dizer que em 5 anos as “políticas de emprego” do Governo Regional foram responsáveis pela criação de 4.830 novos desempregados, ou seja a taxa de desemprego na Madeira aumentou 119%. Conclusão: as políticas de emprego deste Governo falharam e o aumento do desemprego na Madeira é consistente de há muitos anos a esta parte.

Se compararmos a taxa de desemprego na Madeira de Janeiro de 2006 como a de Janeiro de 2007 (comparação com período homólogo), constatamos que houve um crescimento do desemprego de 18,2% (1.367 novos desempregados, a um ritmo de 114 novos desempregados por mês). Enquanto que se fizermos a mesmo comparação com a taxa de desemprego do Continente verificamos que diminuiu 7,3%. Conclusão: no último ano o desemprego está a aumentar na Madeira e a diminuir no Continente.

Quanto à comparação do número absoluto de desempregados entre o Continente e a Madeira, eu pergunto: é sério comparar o número de desempregados do Continente onde está cerca de 95% da população activa de Portugal, com o n.º de desempregados da Madeira onde apenas estão 2,5% da população activa?

Portanto, perante os dados oficiais do IEFP, cada um tirará as conclusões que achar adequadas sobre a responsabilidade e a seriedade do comunicado do Sr. Secretário Regional dos Recursos Humanos.

Paulo Barata

Lei eleitoral

Desde há algum tempo que o PS-M vem marcando pontos na política Regional.
A lei eleitoral que estará em vigor pela primeira vez nestas eleições só o estará porque o PS-M (através do Dr. Jacinto Serrão) e o restante grupo parlamentar do PS na assembleia da republica trabalharam para que assim fosse.
Esta nova lei eleitoral veio trazer a justiça que deveria estar inerente a qualquer acto eleitoral.
Durante mais de 20 anos o PSD beneficiou de uma lei eleitoral que lhe dava uma representação parlamentar muito superior á sua representação eleitoral.
Foi sem espanto que ouvi o presidente do PSD Madeira a afirmar que a lei eleitoral foi alterada por vontade do PSD e não por vontade de todos os partidos que eram escandalosamente prejudicados pela reduzida dimensão dos circulos eleitorais.
E digo sem espanto, porque as mentiras do PSD já não me espantam. São a normalidade do dia a dia.
Mentem quando falam do desemprego na Madeira, mentem quando falam da riqueza dos madeirenses e mentem quando tentam passar a imagem que esta crise não tem origem na sua má governação.
Mas como todos sabem não é possivel enganar toda a gente durante todo o tempo, e os madeirenses estão dispertos para a realidade madeirense, nua e crua.

quarta-feira, março 14, 2007

Dados preocupantes - Turismo


O número de dormidas nos estabelecimentos hoteleiros da Região Autónoma da Madeira tem sofrido uma evolução preocupante.
Olhando para a variação homologa, temos:

Agosto 2006: +4,4%
Setembro 2006: +2,4%
Outubro 2006: -2,4%
Novembro 2006: -2,2%
Dezembro 2006: -1,9%
Janeiro 2007: -6,3%

Isto, enquanto todas as outras regiões do País têm variações positivas do nº de dormidas.
Em meu entender existem algumas causas para esta situação:

- Má promoção da Madeira
- Descarecterização paisagistica
- Preço das viagens/taxas aeroportuárias

É preciso agir rapidamente de modo a eliminar estas desvantagens e potenciar tudo o que temos de bom.

A promoção da Madeira deve ter em conta a consolidação dos mercados existentes, como o Inglês e o Alemão e tentar cativar mercados emergentes tais como o dos novos países da UE e do Bloco de Leste.

Não é possivel continuar a construir mamarachos como os enrocamentos dos Reis Magos, Ponta de Sol, Ribeira Brava entre outros e achar que os turistas são insenciveis a essa descaracterização paisagistica.

Com a liberalização da linha aérea para a Madeira foi dado um passo decisivo para a diminuição de custos das viagens. Falta dar o passo seguinte que é o de reduzir as taxas aeroportuárias.

Por outro lado, é preciso ter em atenção que a taxa de ocupação dos hoteis está a diminuir. É necessário incentivar uma renovação das unidades hoteleiras, ou construção de novas unidades acompanhadas de abate de outras, mais antigas e mais desadequadas ás necessidades e exigencias actuais dos turistas.

A peso do sector turismo na actividade económica da Madeira não se compadece com experimentalismos de estagiários.

terça-feira, março 13, 2007

Desemprego


Na altura de campanha eleitoral o Eng. Socrates prometeu que aumentaria em 150.000 o número de empregos em Portugal.
Só no último ano foram criados em Portugal 37.000 postos de trabalho. No entando, devido a um aumento da população activa em cerca de 43.000 pessoas levou a que a taxa de desemprego crescesse ligeiramente (0,1%).
Cá na Madeira o cenário é bem diferente.
É verdade que a população activa na Madeira também cresceu em cerca de 700 pessoas, mas ao contrário do que aconteceu no resto do País o número de empregos diminuiu em relação ao ano anterior.
A conjugação destes dois factores levou a que o desemprego na Madeira tenha aumentado mais de 15% no último ano.
É por isto, que o gráfico do desemprego nacional e regional, divulgado hoje pela Secretaria Regional de Recursos Humanos, em que se mostra apenas a evolução trimestral (aínda por cima, no trimestre maior actividade turistica na Madeira) é uma afronta á inteligência dos madeirenses.

P.S. - Porque será que a Secretaria dos Recursos Humanos não mostrou também a evolução do desemprego nos Açores?

sexta-feira, março 09, 2007

Perguntas pertinentes



A propósito do anuncio da Sociedade de Desenvolvimento Ponta Oeste S.A. na ultima página do DN M de hoje, com o titulo "o que eles não querem que se contrua...".

PERGUNTO

1. Quanto custará a muralha de protecção à muralha de protecção?

2. Será necessária mais alguma muralha, ou estas duas serão suficientes?

3. O tal promotor imobiliário estará disposto a pagar mais de 36 M€ por uma marina que não vale mais de 15M€ (se funcionasse)?

4. Porque não foi esse suposto promotor a construi-la?

5. Alguem acredita que não será o Governo Regional, isto é, todos os madeirenses, a pagar tudo isto?

As respostas são obvias, mas não deixa de ser um exercicio interessate fazê-las.

quinta-feira, março 08, 2007

Fundos Europeus

Toda a atitude do Governo Regional da Madeira na negociação dos fundos europeus para o próximo QCA é de uma total irresponsabilidade.
Além de esconder o estudo do Prof. Augusto Mateus, encomendado pelo próprio GR, e que mostrava as grandes fragilidades que a economia madeirense aínda padecia, vamos agora saber que também recusou ir para negociação "coligado" com os Açores, que permitiria mantermo-nos como região alargada de objectivo I.
Essa coligação, a exemplo do que aconteceu em Itália, poderia trazer vantagens para ambas as Regiões Autónomas.
Mas o Governo Regional da Madeira, na pessoa do seu presidente, não sabem negociar. Não conseguem entrar numa relacionamento em que ambos ganham. Na sua mente só existe o nós (bons) e os outros (maus).
Com esta atitude de total irresponsabilidade e isolacionismo, perderam os Madeirenses, e perdeu Portugal.
Muitos destes fundos que se perderam seriam entregues a projectos privados e apenas parte seria entregue ao GR. Talvez por isso o GR considere esta uma perda insignificante.
Neste caso, e por falta de poder negocial, perdemos 450M€.
É tempo dos Madeirenses escolherem aqueles que mais garantias dão ao seu futuro. E essa escolha não passa pelo partido que está agora no poder.

terça-feira, março 06, 2007

A agricultura que temos

Na madeira existem 2800 agricultores a tempo inteiro, dos quais 1516 são agricultores de secretária, isto é, não são mesmo agricultores mas sim funcionários da Direcção Regional de Agricultura.
Para desgraça de quem anda a sujar as mãos na terra, os agricultores de secretária é que ficam com os recursos financeiros quase todos.
Vejamos, de um total de despesas de funcionamento da referida Direcção Regional de 16.2 M€, 15.1 M€ são despesas com pessoal. Fantástico, não é!?

Em relação ao Ministério da Agricultura o problema é o mesmo, ou pelo menos era, até há um ano atrás, antes do Ministro da Agricultura colocar muita desta gente nos supranumerários.

O que será que esta gente pensa que anda a fazer?
Muito sinceramente, gostava de saber.

domingo, março 04, 2007

Museu Salazar

Confesso que fico chocado com estes pseudo-defensores da liberdade, intitulados de anti-fascistas, que querem a todo o custo impedir a liberdade dos outros, fascistas ou não.
Salazar existiu. Foi admirado por uns, temido e odiado por outros.
Impedir a divulgação do que de bom e de mau foi feito pelo homem que governou o País durante tanto tempo é negar a história.
Um dia, também aqui na Madeira, haverá um museu dedicado a Alberto João Jardim. Respeitemos a liberdade que temos e deixemos que o tempo nos elucide.

quinta-feira, março 01, 2007

No comments

“Gosto de fazer da política um jogo”, afirma sem complexos em 98. “Eu faço muita cena em política. Gosto de ser actor. Sempre levei a vida um pouco a brincar, também gosto de brincar com a política”.

A 28 de Abril, nas comemorações do aniversário do ditador, junta-se ao coro com lábia que solta um “Viva Salazar! Abaixo o reviralho!”.


No CM