domingo, dezembro 31, 2006

No Comments...

Entrevista a Rui Marote, presidente da Associação de Futebol da Madeira, ao DN-M

''DIÁRIO - Ao fim de 24 anos na presidência, voltou a recandidatar-se este ano. Porquê?

Rui Marote - Quando estamos nas instituições gostamos de concluir os nossos projectos. Uma das questões que levaram a candidatar-me foi o projecto de Gaula. Houve um grande entusiasmo e algumas situações relativamente aos atrasos de que não vale a pena voltar a falar. Por isso só agora estamos numa fase terminal de uma das fases.''

''A dignidade deles '' por Ricardo Vieira

"O aborto é sem dúvida uma questão sintomática dos valores da sociedade em que nos foram envolvendo ou da sua decadência

É querer dispor para além da nossa existência, como se amanhã fosse possível aos mais novos determinar quando é que a existência dos idosos deixaria de ter dignidade - quando fossem reformados? Quando estivessem imobilizados? Quando fossem caros ao erário público e causa de dificuldades nas políticas de assistência social?!"
No DN-M

Esclarecedor.

sábado, dezembro 30, 2006

Roubo!



O preço do bilhete para o concerto de Joana Machado de Tributo a Tom Jobim custa 25 Euros. Um exagero.

Um só espectáculo custar tanto é para mim caso único.

Nota: Acrescente-se ainda o custo da gasolina, é que fazer quase 30km entre o Funchal e a Calheta ...

sexta-feira, dezembro 29, 2006

Igualdades

A palavra igualdade tem servido de argumento ou alibi para tudo e mais alguma coisa.
No entanto, a dita igualdade (sem mais nada que a caracterize) é como um cobertor curto, isto é, quando se puxa de um lado, deixa-se a outra ponta a descoberto.
Isto vem a propósito do pedido verificação da inconstitucionalidade da lei das finanças locais. Foi pedido a verificação da inconstitucionalidade da lei alegando que esta lei é discriminatória, isto é, não trata todos os cidadão da mesma forma, uma vez que uns podem pagar mais impostos que outros. Tudo isto é verdade, no entanto, não nos podemos esquecer que mesmo sem LFL aprovada os portugueses já são tratados de forma diferente. Cada autarquia tem um executivo próprio com as suas próprias politicas, de acordo com as suas necessidades e dificuldades. Seria ridiculo que sob o manto da igualdade se quisesse impor as politicas da autarquia vizinha.
Por outro lado, essa diferenciação entre portugueses em termos fiscais já existe, uma vez que as regiões autónomas têm uma taxa de IVA inferior ao que pagam a generalidade dos portugueses.
Considero que esta lei vai no sentido correcto, uma vez que, aumenta o factor responsabilização na gestão das autarquias.
As autarquias que estiverem com as finanças saudáveis poderão optar entre aumentar o seu investimento ou baixar a carga fiscal dos seus cidadão. E os cidadãos, na altura do voto, poderão escolher entre qual a opcção que consideram mais correcta para a sua autarquia.

quarta-feira, dezembro 27, 2006

Relatório ''Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas das NU''

''O aquecimento global já atingiu uma fase irreversível e o principal responsável por este fenómeno, que ameaça a própria viabilidade do planeta, é o Homem. É esta a grande conclusão do quarto relatório do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas das Nações Unidas que será divulgado no início do ano. '' Notícia no DN

Síntese do Relatório AQUI

É necessário Pensar Global, Agir Local. Um bom exemplo é o ''Plano Acção para a redução de gases com efeito de estufa (GEE's)'', um conjunto de 77 medidas, apresentado pelo Governo da Comunidade de Catalunha. Tem como como objectivo a redução de 30% das emissões de GEE's.
P.e., reduziu a velocidade máxima em todas as auto-estradas e vias rápidas da área metropolitana de Barcelona (cerca de 40 municípios) de 120 km/h para os 80 Km/h.

terça-feira, dezembro 26, 2006

A Oposição ao Governo PS

Depois das figuras ridículas e evidente incapacidade do PSD, dos desvaneios e implosões no CDS ou PP (?), da desorientação do BE, agora chegou a vez dos comunistas cinzentos...

''PCP critica Primeiro-Ministro por falar em «confiança» em clima de incerteza
O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, criticou hoje o primeiro-ministro, José Sócrates, por falar em «confiança» na economia portuguesa, na sua mensagem de Natal, quando «o que existe é muita incerteza».''

No Diário Digital

segunda-feira, dezembro 25, 2006

''Carta de Mia Couto a Bush''

''Desde a Segunda Guerra Mundial, os EUA bombardearam: a China (1945-46), a Coreia e a China (1950-53), a Guatemala (1954), a Indonésia (1958), Cuba (1959-1961), a Guatemala (1960), o Congo (1964), o Peru (1965), o Laos (1961-1973), o Vietname (1961-1973), o Camboja (1969-1970), a Guatemala (1967-1973), Granada (1983), Líbano (1983-1984), a Líbia (1986), Salvador (1980), a Nicarágua (1980), o Irão (1987), o Panamá (1989), o Iraque (1990-2001), o Kuwait(1991), a Somália (1993), a Bósnia (1994-95), o Sudão (1998), o Afeganistão (1998), a Jugoslávia (1999)''.

Ficaram por acrescentar o Afeganistão (2001) e o Iraque (2003).
Irão(?), Coreia do Norte (?), Síria (?),...

Mia Couto - Março de 2003

domingo, dezembro 24, 2006

''Os 171 suspeitos do Apito Dourado''

São 27 dirigentes de clubes, 110 árbitros, 28 dirigentes da Liga e da Federação Portuguesa de Futebol, dois autarcas e quatro empresários. Contam-se vários os dirigentes de clubes regionais.

Algo curioso:
- António Araújo, empreiteiro, agente de jogadores e organizador de festas para árbitros amigos, animadas por prostitutas, designadas nas escutas pelos códigos «fruta e café com leite»

Ver aqui

sábado, dezembro 23, 2006

''Natal com Coração'' por José Crespo de Carvalho

Um texto magnífico, mesmo para alguém tão radicalmente de direita.

«Vivemos tempos em que o homem, em geral, e o homem de negócios e de gestão, em particular, segue o culto do não sentimento. Simula a alma, em muitos casos porque já a perdeu, ou não tem coração, porque é politicamente incorrecto tê-lo.

Quero dizer que senti falta de todos os momentos em que não consegui sorrisos ou lágrimas, em que não cheguei ao abraço, ao coração, ao sentimento de todos os que passaram este ano pela minha vida. Quero dizer que me arrependo dos momentos em que devia ter sido criança, por exemplo na generosidade, e não consegui sê-lo. Quero dizer que me senti triste sempre que me afastei da genuinidade e não usei as armas do carinho e da ternura. Quero pedir desculpa, perdão, a todos quantos acharam que não estive à altura do que devia neste ano que passou e pela ocasião e comemoração deste Natal. Quero mostrar o quão importante é para mim o Natal. O quão importante é sentir que, se quiser, posso ser muito mais homem neste Natal. E o quão importante é para mim dar, como receber, afectos, carinhos, ternuras, risos, lágrimas, sentimentos, coração. Quero dizer, e desejar a todos, um Santo Natal. Um Natal com coração.»


Texto completo AQUI

sexta-feira, dezembro 22, 2006

SATA assegura ligações aéreas Madeira-Porto Santo

(...) Governo anuncia que a operação não será interrompida, sendo assegurada pela empresa de transporte aéreo SATA, Açores, que iniciará o serviço a 1 de Janeiro de 2007.

Ver Aqui

quarta-feira, dezembro 20, 2006

Entidades reguladoras

Já tive a oportunidade de defender que as entidades regualdoras deveriam estar sob a alçada do presidente da republica, e nunca sob a alçada do governo, sob pena de poderem perder a sua independência face a politicas seguidas pelos governos.
Por outro lado parece-me óbvio que as entidades regualdoras deveriam manter-se independentes face aos regulados. Na realidade nenhuma destas situações de independência, quer face ao governo quer face aos regualdos, corresponde ao desejável.
Do conselho tarifário, que é o orgão da ERSE que regula as tarifas de electricidade, fazem parte representantes do monopolista da rede de transporte (REN), monopolista da rede de produção de Baixa, Média e Alta tensão (EDP), monopolistas na distribuição (EDP) e monopolistas na produção e distribuição na Madeira e Açores (EM e EdA), entre outros representantes dos consumidores.
Esta excessiva representação dos intervenientes (transporte, produção, distribuição e consumidores de Média e alta tensão) num orgão que deveria ter o máximo de independência, acaba por ser prejudicial para a parte mais fraca, que são os consumidores de baixa tensão normais (BTN).
Segundo a decisão deste conselho tarifário os aumentos das tarifas de electricidade, devidos aos sobrecustos de produção de energias renováveis e da co-geração, só se faria sentir para os consumidores de baixa tensão, e não por todos os intervenientes.
Apesar de considerar que esta é a pior maneira de um regualdor funcionar, considero que o governo fez bem em impor um tecto ás subidas das tarifas de electricidade de baixa tensão.

quinta-feira, dezembro 14, 2006

Quanto custa o laxismo?

Brazão de Castro foi ontem confrontado pelos partidos da oposição na Assembleia Legislativa da Madeira com o facto do Governo Regional despender 10 milhões de contos ao longo de vinte anos para o Jornal da Madeira. O secretário regional confirmou o valor e defendeu que o Jornal era «útil para a sociedade» madeirense.

Quem não sabe mas fica a saber:

Laxismo:
En sentido general se trata de una actitud y de un comportamiento moral poco responsables y poco atento al valor de las normas morales.

Em Espanhol porque é igual.

Conceição Estudante: «Este é o orçamento mais pequeno para os Assuntos Sociais»

Discussão do Orçamento Regional 2007 na ALM:

Conceição Estudante, Secretária Regional dos Assusntos Sociais, lamentou o facto de o Plano e Orçamento da Região para 2007 não contemplar mais verbas para os Assuntos Sociais, referindo que «este é o orçamento mais pequeno» desde que está no Governo Regional.

quarta-feira, dezembro 13, 2006

Revisão do PDM Funchal: Prolongamento da Participação Pública

A CMF decidiu prolongar a participação pública, por um prazo de mais trinta dias úteis, até 17 de Janeiro de 2007.

terça-feira, dezembro 12, 2006

A demência

Ontem ao falar com um amigo sobre épocas de dificuldade, este explicava-me que quando uma pessoa está habituada a ir a um restaurante e pede entrada, prato de peixe ou prato de carne, sobremesa e digestivo dificilmente consegue, numa situação de dificuldade económica, pedir apenas o prato principal, ou mesmo deixar de ir ao restaurante. Esse meu amigo afirmava que essa pessoa preferia vender a mobilia da casa a deixar de ter essas extravagâncias.
Por cá, passa-se o mesmo.
O governo regional prepara-se para vender a mobilia.
Para tal vai criar uma empresa de gestão do património da Região. Essa empresa irá pedir um empréstimo á banca para comprar o dito património. Para essa empresa poder recorrer á banca o GR dará o seu avale. Mais um.
De futuro o GR pagará renda em edificios próprios.
Esta operação não passa de mais uma maneira de contornar o limite de endividamento, que neste momento já é escandaloso.
Pior aínda, é que este novo endividamento servirá apenas para pagar dividas antigas.
É como se uma pessoa recorresse ao crédito para pagar a prestação da casa.
E aínda há quem ache que é o governo de Socrates que está a fazer mal á Madeira.

quinta-feira, dezembro 07, 2006

Orçamento e Autonomia


Comparando os Mapas XVIII, XIX e XX dos orçamentos de estado de 2006 e 2007, que são os correspondentes ás tranferências para as Regiões Autónomas, Municipios e Freguesias constato que existe uma previsão de aumento de verbas para a Madeira.
Esse aumento é da ordem dos 2,5%, isto é, em linha com a inflação.
A este aumento por parte do Governo da Republica o Governo Regional corresponde com uma diminuição de 5 milhões de euros das verbas para contratos programa com as autarquias.
Por aqui se vê claramente quem defende a autonomia, nomeadamente a das autarquias face ao Governo Regional.

30 milhões


Que raio de politica desportiva é esta que temos na Madeira, quando 30 milhões de euros por ano não são suficientes para criar as condições para manter nos clubes madeirenses ginastas de nível internacional, entre os quais, o atleta olimpico Felipe Bezugo.
Segundo a noticia da RTP Madeira, estes atletas vão para clubes do continente porque o pavilhão da Escola Secundária Francisco Franco, onde estes atletas habitualmente treinam, não tem condições para a preparação de atletas de elevado nível, nomeadamente por falta de equipamentos.
Por outro lado, é sabido que para um novo estádio de futebol para o maritimo não faltarão verbas, antes pelo contrário.
Fala-se que está a ser desenhada mais uma "engenhoca financeira" em que o Maritimo recorerá á banca com o avale do GR, tentando deste modo fugir ao limite de endividamento.

Crescimento Económico Vs Bom Investimento Público

A receita que a teoria económica dos anos quarenta e cinquenta dava para se acelerar o crescimento era simples: o que era necessário era aumentar rapidamente a taxa de investimento em equipamento.
(...)
Não demorou, no entanto, muito tempo até se verificar que esta receita, em muitos casos, não funcionava. Foram múltiplos os exemplos de países que investiram muito mas pouco ganharam, em termos de crescimento, com esse investimento. Por isso, a partir dos anos sessenta começou a considerar-se que era tão necessário como o equipamento o investimento em capital humano, ou seja, no ensino e formação profissional. E daí a importância que o ensino ganhou na teoria do crescimento.


João Ferreira do Amaral in Jornal de Negócios

Continuar a ler Aqui